Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 20 de Março de 2019
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Suíno.
13 de Marco, 2019 - 08:42
Crise sanitária da suinocultura chinesa pode abrir portas para o Brasil
     

 Mais do que representar uma oportunidade temporária para os frigoríficos brasileiros ampliarem suas exportações de carne suína, a crise sanitária que afeta o segmento na China é uma chance de o país mostrar ao parceiro que pode ser um fornecedor confiável e duradouro, com reflexos de longo prazo que podem representar um expressivo fortalecimento dessa cadeia produtiva.


É o que pensa Alexandre Mendonça de Barros, sócio-diretor da consultoria MB Agro, um dos primeiros "agroeconomistas" brasileiros a chamar a atenção para o tamanho do problema chinês, no início do segundo semestre do ano passado. "É uma chance de ouro", disse recentemente ao Valor durante entrevista sobre o lançamento do "Outlook Fiesp - Projeções para o Agronegócio Brasileiro 2028", trabalho no qual a MB Agro é parceira da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.


O trabalho lembrou que, antes do início do novo surto, a produção chinesa de carne suína vinha se recuperando da forte queda observada em 2014 e 2016, por questões sanitárias que buscavam melhorar a qualidade da oferta local, mas que os níveis considerados normais ainda não haviam sido retomados. Estimativas apontam que a produção chinesa deve ter alcançado 55 milhões de toneladas em 2018, mesmo após o sacrifício de quase 1 milhão de animais em decorrência da peste suína africana, ainda 2 milhões a menos que em 2014.


Em contrapartida, um aumento "sustentável" das vendas de carne suína para a China tende a tirar um pouco do peso das exportações brasileiras de soja e farelo de soja para o país asiático, uma vez que o grão e seu derivado são empregados em rações que alimentam aves e suínos. Em parte por causa da peste - mas também em razão da desaceleração do crescimento da economia - o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) projeta que as importações chinesas de soja em grão vão recuar para 88 milhões de toneladas nesta safra 2018/19, ante as 94,1 milhões do ciclo 2017/18.


 


 

Fonte: P do A.
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
02/03/2019
01/03/2019
28/02/2019
27/02/2019
26/02/2019
 menos   2   3   4   5   6   7   8   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2019 - Todos direitos reservados