Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 20 de Março de 2019
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 Milho.
10 de Janeiro, 2019 - 10:43
Milho: Bolsa de Chicago com leves altas
     

 O cenário para a soja, em 2018, foi bem diferente do que o mercado estimou para ela no final de 2017. As previsões de exportação ficaram muito aquém do que realmente saiu do país, e os preços estiveram acima do esperado. Provavelmente até o volume de produção da safra passada foi subestimado, uma vez que as vendas externas da oleaginosa dispararam no último trimestre de 2018, um período de escassez de produto.


As previsões para esta safra 2018/19 também não serão fáceis. A estimativa de uma supersafra de até 130 milhões de toneladas pode não se concretizar, devido à seca em algumas regiões do país. As consultorias se debruçam sobre os números para refazerem as previsões.


O ano de 2018 acabou sendo uma grata surpresa para o setor, devido às fartas receitas obtidas. A Abiove (Associação das Indústrias de Óleos Vegetais Vegetais) estimava, em dezembro de 2017, que as exportações do complexo soja (grãos, farelo e óleo) rendessem US$ 30 bilhões (R$ 112 bilhões, conforme cotação do dólar do Banco Central a R$ 3,7202).


Terminado o ano, a Secex (Secretaria de Comércio Exterior) indicou que apenas a soja em grãos rendeu US$ 33 bilhões. Ao todo, o complexo trouxe para o Brasil US$ 41 bilhões.


As exportações de soja em grãos, estimada inicialmente em 65 milhões de toneladas, atingiu 84 milhões em 2018. Apenas no último trimestre, um período que tradicionalmente é de pouca oferta, as exportações somaram 14,4 milhões de toneladas, o dobro de igual período de 2017.


A grande mudança ocorrida no mercado se deveu à China, que barrou as importações dos Estados Unidos, maior produtor mundial de soja. As negociações comerciais entre China e Estados Unidos degringolaram depois da chamada guerra comercial entre os dois países.


Com os EUA fora de mercado e a Argentina com oferta menor de soja, devido à quebra de safra, os chineses levaram 69 milhões de toneladas dos 84 milhões exportados pelo Brasil.


Esse cenário favorável para a soja permitiu que o mercado tivesse uma recuperação de preços de 10% no ano. A saca fechou 2018 a R$ 74,50. Em alguns momentos de pico chegou a ser negociada a R$ 88,50, como ocorreu em setembro do ano passado, conforme cotações da Agência Rural.


 


 


 

Fonte: P do A.
* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Notícias
11/03/2019
09/03/2019
08/03/2019
07/03/2019
 menos   1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
 
  FAVORITOS  
© 2019 - Todos direitos reservados