Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 18 de Julho de 2019
Quem Somos   I   Contato
  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 ARTIGO
1 de Dezembro, 2012 - 07:13
  JOÃO NEGRÃO

   Taques e a bancada da Veja
     

Não tem coisa mais deliciosa que acompanhar a trajetória do senador

Não tem coisa mais deliciosa que acompanhar aqui em Brasília a trajetória do senador Pedro Taques. Desde que deixei a cobertura diária do Congresso Nacional passo por lá poucas vezes por semana e vou pouco ao Senado, a não ser para entrevistas pontuais. De todo modo, um pouco assim que distante, eu diria, acompanho de perto a vida dos parlamentares da bancada de Mato Grosso.

E ver as movimentações do senador Pedro Taques, seja ao vivo, pelos noticiários ou pelos releases que sua assessoria me envia é divertimento puro. Não raro tenho acessos de riso. As contradições, meus caros leitores, são formas de se conhecer pessoas. Fazem cair máscaras. Desnudam comportamentos. Desmontam discursos. E diverte. Pelo menos a mim, que nos últimos tempos venho adorando rir dos “moralistas” de plantão.

Desde que aqui chegou, Pedro Taques cunhou sua famosa oração (nos dois sentidos), que tratou de transformá-la num mantra dentro e fora do plenário da Câmara Alta da República brasileira: “Não sou situação nem oposição; sou Constituição”.

Quis dizer o nobre senador mato-grossense que não se alinharia ao governo Dilma Rousseff, para a qual torceu o nariz desde a campanha de 2010 – talvez antes até. Quis ele marcar que também não seria oposição – afinal, o partido que lhe emprestou legenda é um governista de carteirinha, embora tenha Taques, Cristovam Buarque e Miro Teixeira como aliados quase que incondicionais do tucano (quase fora do ninho) Álvaro Dias (PR).

Pois bem, eis as contradições. Vamos à primeira delas. O “constitucionalista” Taques tem se mostrado por demais seletivo em sua preocupação com a legalidade, com a constitucionalidade e com as instituições. Tanto que para ele há indivíduos que são mais que as instituições. Me preocupa que este legalismo – e eu tenho pavor dos legalistas – seja mais que subterfúgio. Tem horas que é bom ficar na ingenuidade, não é mesmo?

Taques chegou à CPMI do Cachoeira com fama de xerife, durão, destemido diante dos criminosos em geral e do crime organizado em particular. A CPMI, com base nas investigações das operações Monte Carlo e Vegas da Polícia Federal, que apontou que uma quadrilha comandada pelo bicheiro goiano Carlos Cachoeira (uma espécie de Arcanjo que priorizou a infiltração política à truculência e pistolagem) tinha ramificações nos poderes e agentes públicos atuavam para ou proteger o esquema ou favorecê-lo dentro dos governos em todas as esferas: federal, estadual e municipal.

Um dos mais notórios membros da quadrilha era o amicíssimo de Pedro Taques, o também senador Demóstenes Torres, com quem no início da legislatura andava de braços dados dentro do plenário do Senado, fazendo coro contra o governo – fazendo oposição, portanto. Eis que um dos primeiros atos de Taques na CPMI foi defender o direito (constitucional) de Torres ficar calado, nem que para isto saísse aos berros (quebra de decoro, inconstitucional, portanto) com um de seus colegas de Comissão.

Não bastasse isto, todas as investidas durante os trabalhos da Comissão e agora com seu término é direcionar as baterias para investigações contra o governo federal (oposição, portanto) e proteger o governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo (mais oposição).

Não se tem notícia alguma de que Pedro Taques, um ex-procurador da República, que traz na bagagem o desmonte de algumas das maiores quadrilhas do País, como a João Arcanjo Ribeiro (em Mato Grosso) e Idelbrando Pascoal (no Acre) tenha movido uma palha sequer para investigar democratas e tucanos. Os alvos preferenciais dele, em todas as suas investidas, foram os governos Dilma e Agnelo.

É plausível que Taques e seus aliados demo-tucanos busquem investigar as ligações da construtora Delta e suas laranjas com o governo federal ou com qualquer que seja o governo. Afinal, esta é uma obrigação constitucional (!) do parlamentar. O que causa estranheza (?) é que o senador dispa-se de seu mantra e assuma um lado, o de ferrenho opositor. Seria mais honesto com seus eleitores, com o povo e consigo mesmo se deixasse a máscara cair de vez e fosse coerente. Ganhará meu total respeito!

Nesta confusão mental (será?) que deve estar passando o senador Pedro Taques, vem dando a confundir “alhos com bugalhos” (outra frase preferida dele). A pretexto de defender a liberdade de imprensa, Taques formou fileira com a chamada “bancada da Veja” no Congresso Nacional, um grupo de senadores e deputados (da situação inclusive) que fez coro contra a convocação do jornalista (?) Policarpo Junior, da revista da Abril, flagrado em mais de 200 conversas com o bicheiro Cachoeira, tramando “reportagens” e intrigas para derrubar desafetos do chefe do crime organizado goiano.

Taques e Miro Teixeira costumam espernear e a babar na CPMI do Cachoeira para defender a revista Veja, qual estão fazendo agora contra o relatório do deputado Odair Cunha, que indicia Policarpo Junior e pede investigação contra o procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Tudo a pretexto de defender a Constituição. Ocorre que indiciar e investigar suspeitos de crimes também são atos constitucionais: estão previstos na Carta Magna, desde que assegurada a ampla defesa.

Gurgel engavetou por dois anos e no mais completo e cumplice silêncio a Operação Vegas, que iniciou a investigação contra Carlinhos Cachoeira. Prevaricou, no mínimo. Por que não ser investigado? Até para poder provar sua eventual inocência. O que há de mal nisto? Por muito menos, cidadãos comuns são presos, investigados e condenados pela Justiça e pela mídia, tendo a Veja como principal “juiz”.

Contudo, ao defender suspeitos de terem cometido crimes, o senador Pedro Taques cai em suas contradições de moralista de plantão. Taques revela que tem um lado, que não é tão somente o lado da oposição. É o lado das suas conveniências, diante de seu próprio pensamento político-ideológico. É fácil entender no fundo seu comportamento reacionário, camuflado de democrata. E ter Veja ao seu lado faz parte dos planos.

JOÃO NEGRÃO é jornalista e blogueiro em Brasília.

www.joaonegrao.net

Fonte: Midia News

* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Artigos
18/05/2016
26/02/2016
01/12/2015
20/11/2015
30/06/2015
02/02/2015
21/04/2014
09/02/2014
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
© 2019 - Todos direitos reservados