Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Bem vindo ao Nortão News, Juara 14 de Outubro de 2019
Quem Somos   I   Contato

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

  INÍCIO  
  NOTÍCIAS  
  EVENTOS  
  VÍDEOS  
  ARTIGOS  
  FAVORITOS  
 ARTIGO
21 de Novembro, 2012 - 07:05
  JOSÉ ANTONIO LEMOS

   Aeroporto, até quando?
     

Não se concebem erros e muitas falhas numa empresa do porte da Infraero

Pois não é que o novo atraso na licitação para as obras do aeroporto Marechal Rondon cobrado no artigo da semana passada deveu-se a outro erro da Infraero? No fim deste mês, completarão 3 anos e meio da definição de Cuiabá como sede da Copa do Pantanal e, até hoje, a Infraero não concluiu a licitação para as obras de ampliação do aeroporto, com uma sucessão de atrasos injustificáveis para uma das maiores e mais competentes empresas aeroportuárias do mundo e uma das obras fundamentais para a Copa 2014, o mais importante projeto do país em termos de visibilidade internacional.

O resultado da licitação era aguardado para o início deste mês e foi adiado para esta semana. Mais uma vez, o motivo seria problemas no projeto entregue pela Infraero à Secopa, segundo o secretário do órgão. Nada tão surpreendente no histórico do tratamento que a Infraero sempre deu ao principal aeroporto mato-grossense, antes e depois da Copa.

A expectativa local era de que o grande evento mundial trouxesse para Cuiabá e Mato Grosso afinal um aeroporto digno de seu dinamismo e importância como o estado líder na produção agropecuária do país que sempre lhe foi negado.

Qual o quê! Convém não esquecer que, já com muito atraso, a primeira entrega do projeto do aeroporto estava prevista para setembro de 2011 e foi adiada para março de 2012 e depois para junho, já sob alegação de necessidade de correções técnicas, e, enfim, entregue em início de julho.

A Secopa providenciou a imediata licitação para as obras, contudo logo revogada em agosto para outra correção de erros nas planilhas do projeto. Corrigidos supostamente os erros, abriu-se nova licitação com homologação esperada para início de novembro, o que não aconteceu, pois foi adiada de novo para esta semana. De novo sob alegação de erros nas planilhas entregues pela Infraero.

Tais erros são inconcebíveis numa empresa do porte e competência da Infraero. Supô-los seria um desrespeito ao seu quadro técnico. Ainda pode existir alguma dúvida quanto à existência de interesses no mínimo estranhos nesse processo?

Faltam 569 dias para o primeiro jogo da Copa e o aeroporto tem que estar pronto, no mínimo, 90 dias antes do início do evento, em condições de receber as equipes técnicas preparatórias para as questões de imprensa, segurança, e mesmo, das seleções que possam escolher Cuiabá para seu período de aclimatação ao clima tropical brasileiro, gerando um movimento adicional para os hotéis, restaurantes, o turismo de um modo geral, um dos grandes ganhos esperados para Cuiabá e Mato Grosso, ameaçado pelos atrasos nas obras do aeroporto.

Até quando esperar? Até, realmente, não dar mais tempo para a execução da obra? Na verdade, em condições normais, não haveria mais tempo, entretanto, ainda daria considerando a situação especial da Copa com o regime do RDC e a possibilidade do brasileiro trabalhar em 3 turnos, sábados, domingos e feriados, conforme aventou o ex-presidente Lula quando perguntado sobre a vergonha que passaria o Brasil perante o mundo na hipótese de não dar conta de cumprir com o comprometido internacionalmente ao assumir a Copa 2014.

Temo que tal esforço não aconteça, se depender só da Infraero, com o agravante de que não há mais tempo para novos testes sobre as intenções da empresa para com o aeroporto de Cuiabá.

Agora, só com uma manifestação clara das forças vivas da sociedade mato-grossense, em especial da cuiabana e várzea-grandense e dos setores mais diretamente interessados, seus prefeitos atuais e os eleitos, sacudindo seus representantes no Congresso Nacional para buscar junto à presidenta Dilma uma nova postura efetiva da Infraero.

Do jeito que as coisas ficaram, só assim.

JOSÉ ANTONIO LEMOS DOS SANTOS, arquiteto e urbanista, é professor universitário em Cuiabá.

Fonte: Midia News

* O NortãoNews não se responsabiliza por comentários postados abaixo!
 0 Comentários  |  Comente esta matéria!
 Mais Artigos
18/05/2016
26/02/2016
01/12/2015
20/11/2015
30/06/2015
02/02/2015
21/04/2014
09/02/2014
 menos  1   2   3   4   5   6   7   mais 
 Enquete

 Artigos
  INÍCIO  
 
  NOTÍCIAS  
 
  EVENTOS  
 
  VÍDEOS  
 
  ARTIGOS  
© 2019 - Todos direitos reservados